Feeds:
Posts
Comentários

Cirurgia e cuidados

Em novembro do ano passado (2016) a Mili passou por uma cirurgia (ligamento cruzado no joelho e denervação do quadril). Foram consultas, exames, preparação e o grande dia.  Resolvi colocar aqui o passo a passo, para ressaltar a importância de estarmos juntos com o nosso pet em um dos momentos em que ele mais precisa. 

08/11/16
Essa foto foi um dia antes da cirurgia. Procuramos deixar o pelinho bem baixo, por causa da cirurgia e também por ela não poder tomar banho tão cedo…

15443019_1021714954624569_2139249404873301159_o

09/11/16
Chegou o dia da cirurgia! Expliquei tudo para ela; o por quê do colar elizabetano; do jejum; do sofá estar virado; de não poder subir nele para ficar na janela etc. 

15042024_987872901342108_315399240715711943_o

10/11/16
A Mili adorou essa cama improvisada no chão; mas não gostou de usar esse colar elizabetano. Mas como operou o joelho e fez um procedimento no quadril não tinha outra opção. Estava tudo dentro do previsto! Aí tá com uma carinha de sapeca, mas às vezes ficava para baixo; são muitos remédios. 

15002424_989154231213975_7160921528691192937_o

12/11/16
Cada dia era uma luta; vários remédios, e o cone incomodava muito. Ela batia, raspava no chão e eu explicava que ia ser assim por mais uns dias… Daí ela colocava uma das patas na cabeça. 

15039540_990927431036655_4835059043187517407_o

15/11/16
E no sexto dia pós cirurgia,  a carinha estava bem melhor e ela já querendo fazer suas sapequices.

15003275_994104474052284_3880316706871067781_o

17/11/16
E essa foto é do oitavo dia pós cirurgia. Estávamos cansadas, mas firmes e fortes. E em contagem regressiva para a retirada dos pontos na terça (22).

15068298_995839537212111_3158368088499083998_o

22/11/16
Depois de 13 dias com o colar elizabetano (o famoso cone) e tirar os pontos; era hora de aproveitar e descansar. Fechamos o dia com chave de ouro.

15196034_1001234686672596_3881602100053081806_o

27/11/16
Ela não pode ver travesseiros e almofadas que vai ligeiro deitar.
Ainda não encosta a patinha no chão, mas está se recuperando bem da cirurgia.

15272221_1007029032759828_4226112607888988193_o

08/12/16
Essas fotos tirei na quinta quando voltamos da reconsulta (ver como ficou a pata depois da cirurgia)… E o veterinário disse que a Mili é manhosa, será?! 

15440590_1023767481085983_843071581706111350_o

21/12/16
A cara da felicidade  🙂
Depois de 1 mês e 12 dias, eis que alguém conseguiu fazer uma das coisas que mais gosta: subir na cama. Claro que subiu devagar e teve ajuda para descer (a cama tem 45 cm de altura). Tudo com supervisão da mamãe. 

15541687_1035205053275559_7111360059071682173_n

Relatei tudo isso para dizer que além do carinho que temos nessa hora, é mega importante seguirmos a risca as recomendações do médico veterinário e os horários e dosagens dos remédios. Foi nessa época que o cortador de comprimidos ajudou muito e a minha lista de horários, dias e tracinhos para dizer o que já tinha tomado e o que faltava tomar também. Deu frio na barriga, foi cansativo, mas valeu a pena. Pois a nossa Mili está cada dia mais sapeca!

 

 

 

 

Escovar o pelo

Acostumamos a Mili desde pequena com a escovação do pelo uma vez por semana. Ela não gosta muito, mas fazemos brincadeiras, tentamos distraí-la e fica tudo certo! Isso é bom porque tiramos os pelos mortos e evitamos que o pelo enrede facilmente.  

13568958_888493767946689_4685719894384741575_o

Coisas de gato

998751_575993629119049_1257777680_n

Comprei um cortador de comprimidos há muito tempo, e olha que é super útil; não fazia ideia de quanto facilitaria a minha vida. Sabe quando tu recebe aquela receita do veterinário que diz remédio tal dar 1/2 comprimido, remédio x dar 1/4 comprimido e por aí vai? O cortador de comprimidos salva a pátria. Algumas vezes já esfarelei remédio ao cortar com a faca ou perdi atrás da geladeira ou do fogão 😛

acessoriomedicamento-0cortadordecomprimidos

Livro: Minha vida com Boris

Minha vida com Boris

Sinopse: Numa manhã de maio de 2000, a advogada Thays Martinez e seu cachorro Boris saíram de casa para fazer história. Recém-chegados dos Estados Unidos, os dois tiveram a entrada barrada numa estação de metrô. Motivo: animais não eram permitidos nas instalações da Companhia do Metropolitano de São Paulo. E os funcionários da estação não se dobraram nem mesmo ao argumento de que cães-guia são instrumentos de acessibilidade e autonomia para pessoas com deficiência visual como Thays, cega desde os quatro anos. Thays, então, moveu uma ação judicial contra o Metrô e, seis anos depois, conquistou uma histórica vitória no Tribunal de Justiça de São Paulo, fazendo a própria defesa com Boris a seu lado. Antes mesmo da decisão judicial que permitiu o acesso de cães-guia ao Metrô da maior metrópole do país, o caso de Thays e Boris já havia inspirado a aprovação de duas leis — uma estadual, em 2001, e outra federal, em 2005 — que garantem o acesso de cães-guia a todo e qualquer local público e privado de uso coletivo. A dupla também ficou conhecida graças às várias reportagens de que foi tema após o incidente, e Boris ainda foi alçado à condição de herói da inclusão e da acessibilidade. Mas a obra vai muito além da narrativa de um triunfo da cidadania. No vibrante resgate de suas memórias, Thays aborda, sobretudo, sua profunda amizade com Boris, uma conexão baseada em confiança e cumplicidade que deixa como legado uma comovente história de afeto para além da vida.

Minha vida com Boris

Pet selfie bagunça

Resolvi escrever esse post sobre Pet selfie bagunça pra dizer que tudo passa e com o tempo os pets se tornam ‘menos bagunceiros’! Adotamos a Mili (uma viralatinha sapeca e com muita energia) quando tinha 05 meses. Ela aprontou horrores, na lista de ‘destruição’ dela tem: cortina, almofada, lençol, colcha, pazinha de lixo, lixeira, pijama, pantufa, camiseta, fronha, tampinha de fechar a água no tanque, rádio, cds, vela perfumada, vaso, short e por aí vai. Confesso que cada vez que entrava em casa ficava meio zonza sem saber por onde começar a arrumar, mas antes tirava foto, pois a Mili vinha com uma carinha muito fofa apesar de toda travessura. Nunca bati nela, mas falava bem braba e dizia que não era pra fazer aquelas coisas, repetia a palavra não umas duas ou três vezes.   

a

Jornais, pantufa, cortina e gigi

b

Peso de porta e travesseiro

c

Tampinha do tanque e pazinha do lixo

O que fizemos durante essa fase da Mili: 
1 – Intensificamos as brincadeiras; compramos brinquedos com texturas diferentes e uns com apito e outros sem (específicos para animais);
2 – O tempo de passeio ficou mais longo e em mais vezes;
3 – Deixamos o rádio ligado.

Agora ela está com 01 ano e 05 meses; não tira nada do lugar e brinca com os brinquedos dela; e o rádio fica ligado às vezes. Como disse lá no início: tudo passa! Tenha paciência com seu pet; essa fase terrível passa, procure alternativas que beneficiem vocês dois. O amor, confiança e carinho que eles depositam na gente vale a pena ❤ E pra finalizar a minha foto preferida da Pet selfie bagunça!

d

Jornais, garrafa pet, saco de bolacha, sacola, pão

Depois das 03 doses de vacina

*Enquanto aguardava a última dose da vacina, a Mili ia no pátio do edifício no colo ou cuidava a rua pela janela. E depois que completou as 3 doses foi conhecer a Mel. Acho bem importante respeitar esse tempo, pois o filhote fica desprotegido e sujeito a muitas doenças. É bom ter a carteira de vacinação sempre em dia! 

13012864_843819729080760_571920797498272861_n

12963804_841459635983436_8981625230728969479_n